lutadorO lutador mato-grossene Weber Almeida, de 28 anos, conquistou a medalha de ouro no 9º Campeonato Pan-Americano de Kickboxing na última sexta-feira (28).  O torneio foi realizado entre a quarta-feira (26) e domingo (30), na cidade de Cancun, no México.

Com 19 anos de história nas artes marciais, Weber agora mira os Jogos Olímpicos de Tóquio que acontece no Japão, em 2020, onde pretende disputar no Karatê.

Para subir no lugar mais alto do pódio, o lutador passou por duas seletivas aqui no Brasil. Ele lutou no Campeonato Brasileiro de Kickboxing e na Copa Brasil de Kickboxing, onde conquistou três e duas medalhas de ouro, respectivamente.

“Como eu venci em cinco categorias diferentes e as inscrições para o Pan-Americano são pagas em dólar, e é muito caro, eu optei por disputar em apenas uma categoria, que é a K1 Rules, uma luta de ringue, valendo nocaute, chutes, socos e joelhadas”.

Segundo o diretor técnico da Federação de Kickboxing do Estado de Mato Grosso (FKBE/MT), o mestre Matheus Noya, esse foi um ano bom para o esporte, “apesar da falta de incentivo por parte do Poder Público e até mesmo de empresas privadas”.

Ele avaliou como positiva o ano de 2016 e diz esperar um ano ainda melhor em 2017, inclusive com projetos sociais nas escolas para divulgar a arte marcial.

“Nós estamos em ascensão, esse foi um ano bom pra a gente, com inúmeras conquistas e vitórias. Mas a gente ainda tem muito para crescer. Infelizmente temos algumas dificuldades, como incentivo, mas não podemos perder o foco. Estamos lutando de igual para igual com os outros estados, como Minas Gerais e Paraná, e a galera está respeitando muito nosso trabalho”, pontuou.

Weber conta que os treinamentos duros não foram as principais barreiras para chegar até o Pan Americano, mas sim a dificuldade em encontrar patrocinadores, porém nem por isso ele desistiu.

“Nós fizemos algumas ações, vendi camisetas em parceria com a Academia Coliseum Gym, com as escritas ‘Somos Todos Coliseum’ e uma ação que deu super certo, que foi a venda de uma rifa do meu telefone. Nós tivemos ajuda de pessoas de mais de cinco Estados, que compraram nossas rifas de R$15”, disse.

Ex-aluno do projeto Flauta Mágica, Weber começou na música, mas logo viu que sua vocação era lutar. Por incentivo do pai, ele começou no Karatê e colhe os primeiros frutos de quase 20 anos de trabalho.

“Agora é continuar focado nos treinamentos, nas outras competições e no meu ciclo olímpico, que eu também faço parte do Karatê, que estará nos Jogos Olímpicos de 2020. Eu quero continuar passando essa humildade que eu tenho para todas as pessoas, que a minha história de vida sirva de exemplo para todos que almejam algo grande na vida”, afirmou Weber.

Ele também busca patrocínio para seguir com o sonho de “ser um dos melhores lutadores de todos os tempos, quem quiser somar comigo, eu estou à disposição. Qualquer empresa que queira divulgar sua marca, esse é momento, quando o atleta está subindo. Quando o atleta chega ao auge, fica fácil patrocinar. O difícil é você conseguir patrocínio aqui, quando está começando. Eu já tenho 19 anos de carreira no esporte e agora que estou começando a colher o furto desse trabalho”, afirmou.

Weber Almeida é faixa preta de Karatê e está no Kickboxing há um ano. Antes de se dedicar exclusivamente ao esporte, ele era gerente de vendas de uma empresa multinacional, no ramo de imóveis e coordenava uma equipe de 40 corretores. Hoje é campeão nacional seis vezes de Karatê, ouro em três categorias no Campeonato Brasileiro de Kickboxing, campeão também em duas categorias na Copa Brasil de Kickboxing, ambas em 2016.

Já participou de vários campeonatos no mundo, incluindo Edimburgo, na Escócia, quando ficou em terceiro lugar por equipe, entre cerca de mil atletas de mais de 30 nacionalidades. Almeida ainda tem duas lutas no MMA profissional, agora é campeão Pan Americano de Kickboxing e mira uma vaga nos Jogos Olímpicos de 2020.

Fonte: midianews.com.br