O Amapá tem 21.016 crianças e adolescentes entre 4 e 17 anos fora da escola, segundo levantamento feito pelo movimento Todos Pela Educação. Os dados levam em consideração os resultados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A quantidade, de acordo com os dados de 2015 levantados pelo movimento, apontam que 9,6% dos amapaenses nessa faixa etária não estão matriculados em nenhuma instituição de ensino. A cobertura de 90,4% está bem abaixo da meta prevista para o ano, que era de 96%. Ao todo, 197.853 crianças e adolescentes estão matriculados no Amapá.

Entre as idades, a maior presença no ensino é entre crianças e adolescentes entre 6 e 14 anos, com 98% de cobertura, seguido pela faixa de 15 a 17 anos, com 80% de cobertura. A situação mais delicada diz respeito a crianças entre 4 e 5 anos, com 70,2% dos indivíduos na escola, a menor taxa do país.

Para Priscila Cruz, presidente executiva do Todos Pela Educação, o número é preocupante, pois afeta principalmente as crianças mais “vulneráveis”. “Essas crianças que estão fora da escola são exatamente as que mais precisam, porque em geral são as deficientes, as mais pobres, e que moram em lugar mais ermos”, declarou, após a divulgação dos dados.

Nos últimos dez anos, o estado teve aumento na oferta de vagas em todas as faixas pesquisadas, com destaque para a de crianças entre 4 e 5 anos, que, apesar da baixa cobertura, reduziu de 13.753 amapaenses fora da escola em 2005, para 9.722 em 2015.

Ainda nos últimos dez anos, o oferta de atendimento na rede de ensino aumentou 2,5 pontos percentuais, saindo de 87,9% para 90,4%, quase a metade da média nacional, que foi de 4,8 pontos percentuais.

O indicador do Amapá é o pior do Brasil, e somente outros dois estados, Santa Catarina (2,6) e Rio de Janeiro (2,9), cresceram abaixo de 3 pontos percentuais.

Fonte: G1