Pedestres e cadeirantes, tentam dividir espaço com postes no meio de calçadas irregulares que impedem a mobilidade, entulhos de construção, containers e veículos estacionados. Diversas vezes as pessoas têm que andar na rua, porque as calçadas ou passeios estão bloqueados.
Essas questões envolvem, além de fiscalizar o Plano Diretor do município, um Plano de Mobilidade Urbana, que aponta a criação de ciclovias, transporte público, conscientização da população e várias outras ações.
Em outubro de 2016, foi contratada uma empresa para fazer o plano de mobilidade urbana do município de Cacoal, por força de determinação do Ministério das Cidades, sob pena de serem bloqueadas verbas federais para o município. A empresa contratada fez um estudo completo no que se refere a mobilidade.
Foram realizadas várias audiências públicas onde participaram empresários, vereadores e presidentes de bairros e por fim, foi entregue ao município, todo o planejamento para melhoria da mobilidade em Cacoal.
A Câmara Municipal de Cacoal aprovou a Lei 4.117/2018 que dispõe sobre o Plano Municipal de Mobilidade Urbana de Cacoal – PMMUC e também cria Comissão Interdisciplinar de Mobilidade Urbana – CIMU, que é a responsável por desenvolver o que está descrito.
Entretanto, conforme informações da Secretaria de Planejamento do município, a secretaria responsável é a SEMTRAN – Secretaria Municipal de Trânsito e é por meio dela que se deve constituir a CIMU.
O arquiteto e urbanista da prefeitura Rodrigo Selhorst, disse que é preciso constituir a CIMU e também criar engajamento da administração pública e dos munícipes para que o plano seja posto em prática. “O plano já está em vigência, pois existe uma lei. Mas a Comissão precisa estar instituída e fazer a gestão dos produtos e prazos”.

Siomara de Oliveira
MTE 953/RO