Bases do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) de oito municípios do Amapá estão abandonadas. Os prédios estão prontos e nunca foram utilizados pelo poder público. Os postos foram tomados por lixo e mato, e ainda foram alvos de furtos, segundo moradores.

A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) confirmou que as bases de Macapá, Calçoene, Ferreira Gomes, Laranjal do Jari, Mazagão, Oiapoque, Porto Grande e Tartarugalzinho tiveram as obras concluídas e não foram inauguradas.

De acordo com o governo, com exceção de Laranjal do Jari, os municípios alegaram não possuir recursos para custear as necessidades administrativas exigidas na portaria do Ministério da Saúde para execução das atividades.

Não foi informado o valor total investido nas obras, assim como desde quando as construções estão prontas e nem o que será feito com esses prédios que estão em desuso. A Sesa também não detalhou o que levou ao abandono da unidade de Laranjal do Jari.

Sobre a situação da Central de Regulação do Samu, localizada na capital, o governo declarou que a Secretaria de Estado de Infraestrutura (Seinf) está tomando providências administrativas para a retomada da obra. Não foi divulgada a previsão de conclusão do trabalho.

Um vídeo enviado através do aplicativo Tô na Rede, por um internauta que preferiu não se identificar, retrata a situação do prédio em Porto Grande, a 102 quilômetros de Macapá.

Nas imagens, o morador mostra partes onde o mato e o lixo tomaram conta da estrutura e conta que o local já foi alvo de furtos, tendo vasos sanitários e portas levadas por invasores.

Em junho de 2014, um morador de Ferreira Gomes cobrou agilidade para a ativação dos serviços na base do Samu que estava construída há, pelo menos, sete meses na época. Dados do governo do estado apontam que a obra no município iniciou em janeiro de 2013 e custou R$ 364,462.34.

Fonte: G1