O município de Pacaraima, no Norte de Roraima e na fronteira com a Venezuela, foi o primeiro do Brasil a receber pontos de conexão em banda larga do programa Internet para Todos. Duas antenas do programa foram instaladas no município nessa quarta-feira (18).

Os pontos foram colocados na Escola Estadual Indígena Tuxaua Silvestre Messias, localizada na região da Raposa Serra do Sol, e na Escola Municipal Casemiro de Abreu em Roraima, na sede do município.

O programa, financiado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, tem como objetivo levar internet rápida aos pontos mais remotos do país.

Segundo o ministro da pasta Gilberto Kassab a previsão é que até o final de julho todas os 2.030 alunos da rede pública de ensino do município tenham acesso à internet banda larga. Todos os pontos que oferecem serviços de saúde pública também terão acesso à rede pelo programa.

O primeiro ponto de instalação do programa foi na Escola Municipal Casemiro de Abreu em abril deste ano. Entretanto, a antena foi desligada em maio, após uma determinação do Tribunal Regional Federal da Primeira Região (TRF-1) em um processo que questiona a contratação, pela Telebras, da empresa norte-americana Viasat para instalar a infraestrutura em todo o Brasil.

Nesta segunda-feira (17), a presidente do Supremo Tribunal Federal, Cármen Lúcia, reconsiderou a decisão e autorizou o funcionamento integral do satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC- 1). O Governo Federal afirma que investiu quase R$ 2,8 bilhões no programa.

Para Kassab, a reinstalação na escola Casemiro de Abreu e a instalação na escola indígena marcam o lançamento do programa. Segundo ele, Pacaraima foi escolhido para iniciar os serviços em razão da visibilidade que o município tem recebido por conta da imigração de venezuelanos.

“Roraima precisa de apoio de todo o país, do governo brasileiro. Essa foi uma homenagem ao município que presta um serviço importante à humanidade”, afirmou Kassab.

Escola com internet, mas sem computadores

A Escola Estadual Indígena Tuxaua Silvestre Messias possui 196 alunos do ensino fundamental, médio e da educação para jovens e adultos (EJA). A unidade atende 12 comunidades das etnias macuxi e wapixana localizadas na região de São Marcos.

Apesar da instalação da antena, o diretor da unidade, Evaldo Silva Alves, afirmou que atualmente a escola não possui professor de informática e a maioria dos 10 computadores do laboratório não funcionam. “Temos eles desde 2008”, afirmou.

Segundo o diretor, os alunos poderão se conectar usando celulares, mas nem todos possuem o aparelho.