Fundação Alfredo da Matta detecta 45 novos casos de câncer de pele em dia de mutirão

O mutirão dermatológico realizado sábado (2) na Fundação Alfredo da Matta (Fuam) detectou 45 novos casos de câncer de pele. O balanço foi divulgado nesta segunda-feira (4) pela diretoria da unidade.

Ao todo, 900 vagas para consultas e procedimentos foram disponibilizados. Entre os 45 casos identificados, 33 foram resolvidos com cirurgia no mesmo dia. Mesmo após as cirurgias, os pacientes devem fazer acompanhamento periódico para evitar o ressurgimento da doença.

Os outros 12 casos de câncer de pele foram encaminhados ao Hospital e Pronto-Socorro da Zona Norte.

Mutirão em números

  • Foram realizadas 823 exames dermatológicos
  • 508 consultas médicas
  • 308 atendimentos farmacêuticos (distribuição de medicamentos)
  • 2018 pacientes realizaram testes rápidos de sífilis e HIV
  • 45 novos casos de câncer de pele foram diagnosticados
  • 21 casos de sífilis identificados
  • 5 pacientes tiveram diagnóstico de hanseníase
  • 2 casos de HIV foram identificados

Câncer de Pele

A doença se caracteriza pelo crescimento anormal e descontrolado das células da pele. As células se dispõem em camadas, por isso, dependendo da camada afetada, têm-se diferentes tipos de câncer. Os mais comuns são os carcinomas do tipo Basocelular, Espinocelular e o Melanoma, este último, o mais agressivo.

Lesões na pele, inicialmente semelhantes a uma espinha que não cicatriza ou cresce lentamente que com o passar do tempo podem sangrar espontaneamente ou formar pequenas feridas; alterações em pintas pretas ou acastanhadas – mudança na cor ou textura, bordas irregulares e alteração de tamanho de manchas ou sinais, podem ser alguns sinais da doença.

Fatores de risco

  • Histórico familiar da doença
  • Pessoas de pele e olhos claros, com cabelos ruivos ou loiros
  • Pessoas que trabalham frequentemente expostas ao sol sem proteção adequada
  • Exposição prolongada e repetida ao sol na infância e adolescência
Fonte: G1