Embaixador do Canadá anuncia auxílio de 60 mil dólares em projetos para venezuelanos em RR

Em visita a Boa Vista nesta segunda-feira (5), o embaixador do Canadá no Brasil, Riccardo Savone, anunciou que o governo canadense vai financiar dois projetos que atendam as necessidades mais urgentes dos venezuelanos que vivem em Roraima. Propostas foram inauguradas hoje.

O primeiro projeto receberá um financiamento de C$ 10 mil (dólares canadenses) que serão usados para fornecer suporte para alimentos e higiene aos refugiados que vivem atualmente no abrigo do Ginásio Tancredo Neves, no bairro Caimbé, zona Oeste de Boa Vista.

A ação será coordenada pelo grupo Fraternidade – Federação Internacional Humanitária, com apoio da Fundação Pan-Americana para o Desenvolvimento (PADF).

Já o segundo vai destinar C$ 50 mil para uma escola móvel. O objetivo é atender os venezuelanos do Centro de Referência ao Imigrante, no bairro Pintolândia, também na zona Oeste.

Imigração venezuelana

Boa Vista conta hoje com 40 mil imigrantes venezuelanos, segundo a prefeitura da capital. Fluxo migratório começou em 2015, bateu recordes em 2017 e está aumentando em 2018. O reflexo se vê nas ruas: praças ocupadas, abrigos lotados e casas com até 31 moradores.

Com fome e sem emprego, muitos deles atravessam a fronteira a pé e caminham durante dias até chegar na capital de Roraima. Estado é a primeira esperança dos imigrantes que buscam trabalho, visto para permanência no Brasil e dias melhores.

Sem controle, governo de Roraima e as prefeituras de Boa Vista e Pacaraima, cidade que faz fronteira com o país vizinho, pedem ajuda federal para lidar com a grande procura de imigrantes que se aglomeram em praças e ruas da capital. Estima-se que mais de mil venezuelanos cheguem todos os dias ao estado.

Ajuda internacional

De acordo com o diretor da Fraternidade Internacional, Ricardo Baumgartner, a sala de aula tem capacidade para 20 alunos. No local serão ministradas aulas de português para as crianças.

A ação será coordenada pelo grupo Fraternidade – Federação Internacional Humanitária, com o apoio da Fundação Pan-Americana para o Desenvolvimento (PADF) (Foto: Reprodução/Rede Amazônica Roraima) A ação será coordenada pelo grupo Fraternidade – Federação Internacional Humanitária, com o apoio da Fundação Pan-Americana para o Desenvolvimento (PADF) (Foto: Reprodução/Rede Amazônica Roraima)

No local elas também devem receber educação primária na língua indígena nativa e os adultos receberão cursos profissionalizantes e de idiomas.

Além disso, será criada um clínica para fornecer serviços médicos básicos para os refugiados que vivem no local, afirmou o diretor.

Baumgartner disse também que a unidade de saúde está preparada para atendimentos básicos como curativos e exames. “Não tem uma capacidade definida porque os atendimento serão contínuos. Daqui [os imigrantes] serão encaminhados para rede pública de sáude”, disse.

A instalação das unidades é coordenada pela PADF e a Fraternidade, já os serviços serão realizados em parceria com autoridades governamentais e a Universidade Federal de Roraima (UFRR).

Fonte: G1