Superintendente do Ibama no Amapá é alvo de operação da Polícia Federal

O superintendente do Instituto de Meio Ambiente e Recursos Renováveis (Ibama) no Amapá foi alvo nesta terça-feira (6) da operação “Falsum Virtual”, deflagrada pela Polícia Federal (PF) em parceria com o Ministério Público Federal (MPF).

Dois mandados de busca e apreensão foram cumpridos contra ele em Macapá: na casa onde mora e na sede do Ibama. Segundo a PF, o superintendente é suspeito de inserir dados falsos no sistema eletrônico federal que gerencia o licenciamento para exploração madeireira, o Documento de Origem Florestal (DOF).

Para a investigação, a intenção seria beneficar uma empresa exploradora no estado, inclusive usando computadores do próprio Ibama. O G1 tenta contato telefônico com o superintendente, mas nenhuma das chamadas completou até a última atualização desta reportagem.

Além da inserção das informações falsas, o servidor “tem dificultado a realizações de ações conjuntas entre o órgão ambiental, o Ministério Público Federal e a Polícia Federal, por meio de atos ordinatórios, atrapalhando as investigações em curso”, diz comunicado dos órgãos.

Em outubro de 2017, o MPF recomendou ao Ministério do Meio Ambiente a exoneração dele em função das supostas ações para dificultar a apuração de irregularidades.

Se comprovadas as alegações, ele pode responder pelos crimes de inserção de dados falsos em sistema de informação e obstrução de investigação que envolve organização criminosa. Em caso de condenação, a pena pode chegar a 20 anos de prisão.

Fonte: G1