Recuperação de muro de arrimo na orla de Macapá segue lenta por causa da chuva

Iniciada em janeiro deste ano, com previsão de término para um mês, a obra de recuperação da calçada na orla do bairro Cidade Nova, na Zona Leste de Macapá, ainda não foi concluída. Segundo a prefeitura, responsável pelos serviços, a influência das marés e o período de chuvas são responsáveis pelo atraso.

Os motivos são os mesmos para a lentidão de outra obra realizada também na orla da cidade, a construção do muro de arrimo na área conhecida como Aturiá, no bairro Araxá. No Cidade Nova, a obra acontece em um trecho de 600 metros, na extensão que compreende o complexo Jandiá.

Inicialmente os serviços eram de responsabilidade do governo do Estado, que também trabalha no Aturiá, no entanto, a prefeitura informou que assumiu a revitalização do Jandiá de forma paliativa, para evitar o avanço da erosão no trecho.

Todo o paredão do Jandiá está comprometido. O afundamento de calçadas formam crateras enormes ao longo da margem da cidade, e a força do rio Amazonas é contida pelo muro de arrimo.

A Secretaria Municipal de Obras e Infraestrutura Urbana (Semob) informou, através de nota, que os serviços são executados conforme as condições da maré. Este mês, por exemplo, por conta das águas lançantes, os trabalhos foram paralisados e só retornam quando as águas baixarem.

“No total já foram executados 40% do serviço previsto. É importante ressaltar que as obras de revitalização da orla são de responsabilidade do governo do Estado. Porém, visando a urgência em evitar maiores danos, a Prefeitura de Macapá tomou a iniciativa de realizar o serviço”, informou.

Para recuperar o calçamento, a Semob fez uma base de quase 1,40 metro que recebe reforço com concreto para aguentar a força da água. O buraco que existia no lugar já foi aterrado e vai receber acabamentos. Com as chuvas, a secretaria não previu data para finalização dos serviços.

Muro no Aturiá

A destruição causada pela força da água é visível ao longo da orla da cidade. Na região do Aturiá, a situação é ainda mais problemática porque existem dezenas de casas com risco de desabarem. Lá, as obras iniciaram em agosto de 2013, com data de entrega para um ano depois.

A construção está com 30% dos serviços concluídos e a nova previsão de entrega é para dezembro deste ano, segundo o governo. Mais de 120 famílias já foram retiradas do local e o serviço está orçado em mais de R$ 12 milhões.

O secretário de estado de Infraestrutura, Alcir Matos, afirmou que a meta é mexer o mínimo possível com os moradores. Quanto ao andamento da obra do muro de arrimo, está lento devido a questões naturais.

“O empréstimo do BNDES [Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social] já está disponível, mas as chuvas e a maré têm dificultado. São apenas três horas por dia, pra que o muro possa ser construído. Estamos estudando a alternativa de se trabalhar à noite pra cumprir a meta de entregar o muro até dezembro”, garantiu o gestor.

Fonte: G1