Criminosos incendeiam ônibus e frota é retirada de circulação em Boa Vista

Criminosos incendiaram um ônibus em Boa Vista e a frota foi retirada de circulação na noite dessa segunda-feira (30). Uma passageira e o motorista foram rendidos. Desde a noite de domingo (29) ataques incendiários a prédios públicos, agências bancárias e veículos têm sido registrados na capital e outras quatro cidades do interior.

À Rede Amazônica Roraima, o motorista do ônibus incendiado relatou que o ataque aconteceu por volta das 20h. Ele disse que o ônibus estava no fim da linha quando foi atacado por dois homens armados. Eles estavam de moto, e ao entrar no ônibus ameaçaram disparar.

“Quando percebi, eles já estavam em cima, disseram para não correr se não iriam atirar. Apontaram a arma para mim e para a outra moça que estava comigo. Tomaram nossos celulares, ameaçaram de morte. Depois jogaram gasolina no ônibus e nos mandaram sair de costas. Não deu pra ver nada”.

Após o ataque, a empresa retirou toda a frota de circulação. Os ônibus foram levados para a garagem sob escolta policial.

Em nota, a Empresa de Desenvolvimento Urbano e Habitacional (Emhur) comunicou que os ônibus pararam de circular às 21h em razão do atentado. Com isso, táxis-lotação foram autorizados a circular fora do horário.

“Nesta terça-feira [31], será enviado novo comunicado informando como funcionarão os ônibus em Boa Vista”, finalizou a nota.

G1 procurou a Emuhr para saber sobre a circulação da frota nesta terça e aguarda retorno.

Ataques a mando de facção

Entre a noite de domingo e a madrugada de segunda (30), foram registrados ataques a prédios públicos e agências bancárias em Boa Vista e outras quatro cidades do interior. Eles são atribuídos a criminosos ligados à facção Primeiro Comando da Capital (PCC).

Os bandidos atacaram agências bancárias e prédios públicos – incluindo sedes de Centro de Referência de Assistência Social (Cras), delegacia de Polícia Civil e um quartel da PM. Um caminhão de lixo foi incendiado.

A ordem para os ataques, segundo a Polícia Militar, partiu da Penitenciária Agrícola de Monte Cristo, o maior presídio do estado, e pode ter sido em retaliação a uma revista que apreendeu celulares, anotações do crime organizado e facas na última sexta-feira (27).

Seis pessoas já foram presas e um menor foi apreendido suspeitos de executarem os ataques. As detenções aconteceram em Boa Vista, Caroebe, e Cantá.

G1