Pelo menos dez garis se ferem com vidro por mês em Macapá, diz Semur

O descarte errado de cacos de vidro e outros materiais cortantes pode causar sérios acidentes. Em Macapá, por exemplo, não é difícil encontrar um gari que já tenha se machucado durante a coleta domiciliar. De acordo com a Secretaria Municipal de Manutenção Urbanística (Semur), pelo menos dez acidentes como esse ocorrem por mês. Por essa razão, os trabalhadores fazem um apelo à população.

Segundo o diretor da Divisão de Monitoramento e Limpeza da capital, Adrian Castelo, acidentes com vidro no lixo doméstico, durante a coleta, são cada vez mais comuns.

“Materiais perfurocortantes estão sendo misturados com os resíduos sólidos domésticos. Eles não são descartados da maneira correta, o que acaba causando esses acidentes”, falou.

Oitenta garis trabalham diariamente nas ruas da capital. Um desses profissionais explica que, no caso de cacos de vidro – maior causador de acidentes – a maioria das pessoas apenas coloca os pedaços em sacolas. A prefeitura informou que fornece todos os equipamentos de segurança necessários como luvas, calças e camisa, mas mesmo assim, isso não evita danos aos trabalhadores.

“As pessoas não separam os itens, aí me cortei colocando a mão num saco. É arriscado”, comentou o gari Ider dos Santos.

Mesmo existindo lei para notificar e até multar quem não separa o lixo de casa, a prefeitura afirma ser complicado fazer a fiscalização. Por isso, a Semur pontua algumas medidas simples de descarte correto que podem diminuir o perigo para quem trabalha na coleta, como os garis e os catadores.

“Quando tiver espelho, copo, ou garrafa pra colocar no lixo, deposite o material em uma caixa de papelão ou então dentro de uma garrafa pet, para evitar os acidentes dos garis no trabalho. Se possível, ainda colocar em uma caixinha com um aviso”, orientou Castelo.

Fonte: G1