Vendas do comércio caem 9% em julho e Amapá tem o pior desempenho do país

Dados divulgados na quinta-feira (13) referentes ao mês de julho voltaram a explicitar a crise que o comércio vive no Amapá em 2018. Os números do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontaram uma queda de 9% nas vendas em comparação ao mesmo mês do ano passado. O declive do estado foi o pior do país no sétimo mês do ano.

A baixa não foi somente em relação ao ano passado, mas também em relação ao mês de junho, com redução de 3,7% no comércio, o terceiro pior desempenho do Brasil. O péssimo resultado afetou dos grandes aos pequenos empresários, como o vendedor de açaí Herbert Santos, de 26 anos. Ele fechou o pequeno estabelecimento seis meses após abrir.

“Fiz um grande investimento para inaugurar, mas mesmo com um bom produto, consumido todos os dias, não vendi suficiente para manter os gastos”, lamentou o vendedor, que tinha um funcionário.

Os dados do Amapá foram bem superiores à média nacional, que teve queda de 0,5% em julho. Os setores que sentiram os maiores impactos foram móveis e eletrodomésticos (-4,8%), artigo de uso pessoal e doméstico (2,5%) e tecidos, vestuário e calçados (1,0%).

O IBGE apontou ainda que a nível de Brasil, o setor ainda sente os reflexos da greve dos caminhoneiros, que no Amapá limitou serviços e paralisou entregas durante quatro dias no fim de maio.

Para acompanhar o comportamento do comércio varejista em todo o país, o IBGE investiga a receita bruta de revenda nas empresas, com 20 ou mais funcionários, cuja atividade principal é o comércio varejista.

A pesquisa é realizada desde 1995, produzindo indicadores de receita nominal e de volume de vendas ajustados sazonalmente.

Fonte: G1