Após não conseguir inscrever filha cadeirante em concurso de beleza, mãe cria projeto e faz ensaio fotográfico com crianças deficientes

Depois de ouvir que a filha não poderia participar de concurso de beleza por ser cadeirante, a servidora pública Alderlene Oliveira, de 37 anos, criou o projeto “De Porta em Porta” com o apoio de um casal de fotógrafos.

A ideia é fotografar crianças com necessidades especiais para mostrar que elas também podem participar do mundo da moda e da beleza.

E foi a partir desse projeto que a pequena Isabella, de 7 anos, os irmãos Jesus e João, de 10 e 4 anos, respectivamente, e a Helena, de 5 anos, posaram para um ensaio fotográfico cheio de fofura e muitos sorrisos. As fotos foram feitas na Universidade Federal do Acre (Ufac).

Alderlene conta que a filha teve paralisia cerebral aos 11 meses de vida e de lá para cá usa cadeira de rodas. Segundo a mãe, a menina adora tirar fotos e quando vê uma câmera focando nela “se transforma”.

“A ideia surgiu a partir de uma experiência desagradável que eu tive. A resposta que eu tive da organização do concurso foi que cadeirante não podia participar pelo fato de não venderem. Aí, conversei com a fotógrafa Renata, que já tinha feito um ensaio da Isabella, e disse que queria montar um grupo de mães que a gente pudesse fazer a divulgação de lojas e assim surgiu o projeto”, disse a mãe.

 

A produtora de eventos Meire Manaus, coordenadora do concurso Miss e Mister Mirin do Acre, confirmou que crianças com necessidades especiais não podem ser inscritas no concurso. Segundo ela, o concurso local segue as regras do nacional.

“Não sei quem foi que respondeu, mas a gente até pensou de fazer um evento para cadeirantes, mas não assim junto com as outras crianças que não são cadeirantes, porque não fica legal. Liguei para o miss Brasil infantil e lá também não pode. Como tem tido muita procura, pensei em fazer um à parte com essas crianças”, afirmou Meire.

Para o fotógrafo Ícaro Passos, de 25 anos, fazer o ensaio fotográfico das crianças é a realização de um sonho. Ele contou que, junto com a namorada, pretende ampliar e fazer fotos de ainda mais crianças com necessidades especiais.

“No primeiro momento fizemos as fotos com essas mães que já conhecíamos, mas depois que divulgamos as fotos, várias outras mães estão procurando e querendo participar. Tanto que agora vamos até ver como fazer para todo mundo participar. A Ideia é mostrar que são crianças que podem ser fotografadas como qualquer uma outra e podem ser incluídas no mercado da moda também”, disse o fotógrafo.

Fonte: G1