Moradores quebram rua para escoar água de chuva que inundou casas no interior do Acre

Dezenas de casas foram atingidas pela água de um córrego que inundou durante a chuva na tarde deste domingo (14), na Rua Coronel Carvalho, em Cruzeiro do Sul. Os moradores alegam que muitas famílias tiveram prejuízos e, para evitar que um maior número de casas fossem afetadas, eles tiveram que abrir uma vala na rua para liberar a passagem da água.

De acordo com os moradores, em poucos minutos de chuva muitas casas já estava submersas e foi preciso a ajuda de vizinhos para que algumas famílias tirassem os pertences. Em algumas casas, não foi possível salvar todas as coisas e a água atingiu eletrodomésticos, camas e outros objetos.

O diarista Edson Alencar conta que foi uma correria e para evitar um prejuízo ainda maior, as famílias se uniram e decidiram quebrar o asfalto e fazer uma vala na rua. “Foi muito difícil. Alagou as casas. A água passava por cima do asfalto e aí decidimos quebrar o asfalto, se não, tinha alagado essas casas todas, até lá em cima”, afirmou Alencar.

Na casa da pequena comerciante Lecilda Silva a água ficou a mais de meio metro acima do piso. Ela disse que já solicitou diversas vezes a prefeitura para fazer um serviço que resolva o problema, mas ainda não foi atendida.

“Toda vez que chove forte é assim. Já estou cansada de chamar a prefeitura. Essa é a quarta vez que a imprensa vem aqui, mas nada foi feito”, reclamou a moradora.

No local, o bueiro estava entupido com muito entulho. Os moradores tiveram que retirar pedaços de madeiras e muito mato, recolheram carcaças de máquinas de lavar, fogões, geladeiras e outros entulhos.

O secretário de obras do município, Ilson Lourenço, garantiu que será feito um serviço emergencial para que o tráfego da rua, que serve como linha de ônibus, seja restabelecido.

“Nossa equipe já se encontra no local. O bueiro que tinha lá já era do tamanho máximo, 1 metro. Infelizmente tinha muito lixo lá, restos de geladeira e outras coisas também, então pedimos até que a população colabore. Mas, como já foi quebrado, vamos ter que providenciar um paliativo pra lá, porque neste momento está inviável para fazer galeria. E vamos ter que montar uma alternativa de imediato. Estamos pensando em construir uma ponte de madeira”, garantiu Lourenço.

Fonte: G1