Rio Juruá transborda e já atinge seis bairros em Cruzeiro do Sul, no interior do AC

Com mais de três semanas de enchente, o rio Juruá, em Cruzeiro do Sul, interior do Acre, superou sua cota de alerta, de 13 metros, neste sábado (26), chegando aos 13,16 metros no incio da manhã. Por conta da cheia, mais de 150 moradores tiveram o fornecimento de energia elétrica suspenso e a Defesa Civil Municipal faz monitoramento diário para prestar assistência às famílias dos bairros atingidos pela água.

Pelos menos seis bairros já foram inundados e os moradores estão convivendo com a água invadindo os seus quintais. Em alguns bairros, as moradias construídas de madeira com o assoalho de 3 m de altura já estão quase tomadas pela cheia, como é o caso da Lagoa e da Boca do Moa e parte do Miritizal, onde a energia elétrica foi suspensa para evitar riscos de acidentes.

Mesmo assim, os representantes da Defesa Civil afirmam que só deverão ser removidas famílias de casa a partir do momento que o manancial alcançar a cota de 13,30 metros.

“Por enquanto, as famílias que moram nas áreas mais baixas continuam em Aluguel Social, por isso, não precisamos retirar ninguém nesse momento. Mas, se continuar assim, breve teremos que socorrer aquelas que já estão com as casas com o assoalho quase coberto”, disse Lima.

Em 24 horas, o nível do Juruá subiu 43 cm e, se continuar aumentando no mesmo ritmo, deve alcançar essa marca ainda neste sábado, caso não apresente vazante. Com isso, a Defesa Civil já está preparada para montar um ponto de atendimento emergencial no porto da cidade a partir deste domingo (27).

Desde novembro de 2017, seis famílias continuam fora de casa de regiões que foram inundadas com a cheia do Juruá que, na época, chegou aos 13,37 metros, sendo a quarta maior enchente do manancial, que naquele momento desabrigou 19 famílias.

De acordo com a Defesa Civil, a prefeitura está providenciando um terreno e deve construir casas populares para esses moradores que ainda não tiveram como voltar para os locais onde moravam, devido aos riscos de desbarrancamento.

O município também já se prepara para acomodar os moradores que precisarem sair de suas casas com a nova cheia, caso o rio continue elevando seu nível. Segundo Lima, em caso de necessidade, será utilizado o mesmo ginásio de esportes que foi ocupado em novembro, como abrigo coletivo.

Foto: Ismael Medeiro

Fonte: G1