O que era para ser uma viagem de quase uma hora acabou se tornando uma dor de cabeça para os passageiros do voo 1798 da Gol. O avião, que saiu de Rio Branco, não conseguiu pousar no aeroporto de Cruzeiro do Sul devido ao mau tempo teve que voltar para a capital acreana. Os passageiros passaram quase 7 horas no aeroporto de Rio Branco, segundo eles, sem nenhuma assistência da empresa.

Procurada pelo G1, a empresa Gol Linhas Aéreas Inteligentes informou que o voo teve que ser reprogramado para as 6h30, devido a problemas meteorológicos e alega que todo a assistência foi dada aos passageiros. “Durante a espera em Rio Branco a companhia ressalta que não mediu esforços para dar toda assistência necessária a seus clientes”, destaca.
O voo chegou na segunda maior cidades às 7h30 da manhã desta quarta (25).

O comerciário Egno Barreto conta que estava com a mulher e o filho de 27 anos que tem deficiência física. Ele conta que a empresa não informou aos passageiros o que estava acontecendo.

“Entre os passageiros havia idosos, crianças e deficientes. A empresa responsável não veio falar com a gente nem para dar uma justificativa. É um descaso com a gente que compra passagem tão cara. Ficamos desde às 21h de terça-feira [24] sem janta, café da manhã ou qualquer outra assistência”, reclama.

Barreto diz que, mesmo com o filho deficiente, passou a noite nas cadeiras do aeroporto da capital. Ele pede providência das autoridades do Acre e diz que, pela Gol ser a única empresa que faz o trecho entre Rio Branco e Cruzeiro do Sul, os passageiros ficam “reféns” da empresa.

“Ficamos nessas cadeiras desconfortáveis que não conseguimos nem sentar direito. As autoridades precisam tomar uma providência a respeito disso. Você paga todos os serviços e não consegue usufruir. Se eu chegar dez minutos atrasado, não faço meu check-in, mas a empresa tem o direito de me deixar jogado em um aeroporto a noite toda?”, questiona.

O administrador de empresas Adalberto Cantalino também diz que se sentiu desrespeitado e que a empresa sequer ofereceu a possibilidade de acomodá-los em um hotel até que o problema fosse resolvido.

“O avião não conseguiu pousar em Cruzeiro do Sul e fomos, literalmente, despejados na sala de embarque. Não tiveram nem coragem de levar a gente para o hotel e prestar alguma assistência. Conseguimos pousar em Cruzeiro depois das 7h, sendo que ficamos no aeroporto desde as 1h”, destaca.

Ele acredita que outras pessoas foram prejudicadas e enfatiza também a falta de opções de empresas que façam o trecho entre a capital e a cidade do interior.

“O pessoal que estava esperando para seguir para Rio Branco também foi prejudicado e tinha gente esperando o voo que iria para Brasília. Chegamos às 21h, embarcamos, o tempo não deu condição de pousarmos e eles despejaram a gente na sala de embarque, foi quando o transtorno se instaurou. A gente fica refém dessa empresa”, finaliza.

Fonte: G1