Os casos de febre amarela que preocupam todo o Brasil, com 92 confirmações da doença e mais 1 mil suspeitas em investigação, não incluem o Amapá como estado em alerta de epidemia. A informação é da Coordenadoria de Vigilância em Saúde (CVS). O órgão acresentou que o Amapá não registra casos da doença há pelo menos 10 anos.

O coordenador da CVS, Clóvis Miranda, explica que existem dois tipos da febre amarela, sendo elas a urbana e a silvestre. A prevenção da doença ocorre através de duas doses de vacinação, que imuniza para os dois tipos. Outro método de evitar a proliferação é pelo controle do mosquito Aedes aegypti, causador principal na região urbana.

As vacinas são gratuitas e podem ser encontradas em Unidades Básicas de Saúde (UBS) dos 16 municípios do estado, garantiu a CVS. Ainda segundo a coordenadoria, em todos os anos sobram doses porque grande parte da população já está imunizada.

“A prevenção contra a febre amarela ocorre por meio da vacinação. Nós vivemos em uma região amazônica onde a febre amarela é endêmica, ou seja, ela está presente. Então por se tratar de uma região endêmica a vacinação é obrigatória”, destacou.

Miranda completa que a coordenadoria não registrou mortes de primatas nas florestas, o que descarta qualquer tipo de alarde sobre a doença. Ele também disse que os casos registrados no Pará, estado vizinho, passam por investigações e não afetam o Amapá.

Um menino de 11 anos morreu em 16 de março em decorrência da doença em Alenquer, município que decretou estado de emergência.

Fonte: G1