Comerciantes e moradores da Avenida Tamandaré dizem viver amedrontados. Assaltos e pequenos furtos se tornaram constantes na via, que fica situada no Parque das Laranjeiras, na Zona Centro-Sul de Manaus. Com medo da violência, quem trabalha ou reside no local não sai para rua após as 19h. Segundo eles, essa foi a alternativa para fugir da ação constante de criminosos.

As mercarias da rua funcionam atrás de grades. Segundo uma funcionária de um mercadinho na Avenida, o estabelecimento tem câmeras de segurança, que já captaram vários assaltos. “Nós costumávamos fechar às 22h, mas com tantos assaltos acontecendo, agora fechamos por volta das 19h temendo que nos assaltem”, disse.

Ainda de acordo com a comerciante, por volta das 19h, além dos estabelecimentos fecharem, moradores evitam andar pela Avenida, que fica praticamente deserta.

“Mercearias fecham cedo, com medo. É raro ver alguém andando na rua. Quem precisava passar por aqui agora procura ruas principais e mais movimentadas para poder chegar em casa porque se andar aqui, é quase certo que será assaltado”, comentou.

Segundo ela, o maior assalto ao mercadinho foi registrado em 2015, quando chegava um carregamento de garrafões de água para o estabelecimento. No momento, dois jovens entraram armados, apontaram armas para os funcionários e levaram dinheiro e produtos que estavam a venda. Em outra ocasião, já este ano, a câmera de segurança flagrou um homem ao furtar até a lâmpada do estabelecimento.

Outro dono de mercadinho na Avenida Marquês de Tamandaré relatou que o establecimento nunca foi assaltado mas, mesmo assim, prefere trabalhar com seus produtos protegidos por grades. Segundo o comerciante, mesmo durante a manhã, quando um carro para próximo ao mercadinho, ele já fica apreensivo.

“Muitos assaltos acontecem por aqui todos os dias. Eu fecho às 18h porque temos que tomar cuidado e, mesmo assim, trabalhando trancado o tempo todo. Na semana passada, um homem se escondeu em um poste e atacou uma mulher que passava. Ele estava com uma faca. Outra noite roubaram dois rapazes que passavam por aqui, levaram as mochilas deles e ameaçaram uma moradora da frente. Está horrível de asaltos”, contou.

Terreno abandonado como estratégia

Uma moradora da Avenida relatou que assaltantes costumam se esconder em um terreno abandonado durante a noite, esperando uma possível vítima passar para cometer os assaltos. “É horrível este terreno. A noite fica muito escuro e eles ficam aí. Já tentamos saber de quem é isso mas ninguém nunca apareceu”, relatou.

A comerciante lembrou ainda de um caso em que um assaltante esperou uma moto diminuir a velocidade, saiu do terreno e roubou a moto do homem que passava pela avenida.

O G1 aguarda resposta da Polícia Militar de Manaus sobre os constantes assaltos e se o policiamento no local deve ser intensificado.

Fonte: G1