A Secretaria de Administração Penitenciária do Amazonas (Seap) voltou a se pronunciar após o estupro de uma menina de oito anos no Centro de Detenção Provisória Masculino II (CDPM II), durante visitação na sexta-feira (28). A secretaria afirma que vai analisar novas condições para as idas de crianças às cadeias do Estado. Na segunda-feira (31), será instaurado um procedimento para apurar se houve negligência por parte dos servidores que trabalham no CDPM II.

A vítima foi estuprada por um detento. A menina e a mãe dela haviam ido visitar o pai. O preso que confessou o abuso era conhecido da família da menina. O crime ocorreu em um banheiro do pavilhão 5 da unidade.

Em nota, a Seap disse que ele deve ser transferido para outro presídio, mas não informou qual. Os novos procedimentos de visitação de crianças a serem analisados também não foram especificados pela pasta.

“O Estado vai promover a apuração administrativa para que sejam avaliadas formas e mecanismos para evitar que o episódio aconteça novamente. Os procedimentos e projetos serão discutidos pelos setores jurídicos, operacionais e sociais da Seap nos próximos dias. As mudanças serão anunciadas quando forem definidas”, pontuou.

A secretaria afirma que “a necessidade de manter vigilância sob a criança é de responsabilidade dos pais”. No entanto, a movimentação das visitas têm acompanhamento de agentes penitenciários.

Entenda o caso

O crime ocorreu no banheiro do pavilhão 5 da unidade prisional, localizada no Km 8 da rodovia BR-174. Segundo a polícia, a vítima de oito anos brincava em uma área reservada a crianças quando foi abordada pelo detento. Em depoimento, ele disse ter dito à menina que lhe daria um brinquedo caso ela achasse um isopor que estava escondido no último banheiro do pavilhão.

Após o ato, a menina saiu do banheiro, chorando, e contou aos pais. Ainda de acordo com a polícia, o preso dividia a cela com o pai da vítima.

O suspeito confirmou o ocorrido e disse que estava há dois dias sem dormir e consumindo drogas. “Não pensei no que estava fazendo. Foi um momento de leseira”, justificou.

Ele, que cumpria pena por roubo desde 2014, foi autuado por estupro de vulnerável.

Fonte: G1