Os corpos de Alexandre Rochsinki e Olavo Perim Galvão, servidores do Ibama vítimas da queda de um avião monomotor fretado pelo Exército, foram trasladados de Boa Vista na tarde desta quarta-feira (5) em um avião da Força Aérea Brasileira (FAB).

A aeronave C-105 Amazonas da FAB decolou de Boa Vista às 15h20 com os corpos dos servidores que morreram carbonizados após a queda do avião. A primeira escala do voo que deve durar 10h será no Espírito Santo e a segunda em Santa Catarina.

De acordo com a FAB, o corpo de Olavo Perim Galvão será levado a Vitória (ES), cidade onde ele morava, e o de Alexandre Rochsinki a Florianópolis (SC), município de origem do servidor.

Os corpos dos dois foram liberados do Instituto Médico Legal (IML) na noite de terça (5). O coordenador-geral de fiscalização do Ibama, Renê Luiz de Oliveira, por meio de uma procuração, foi quem fez o procedimento.

Sobrevivente

O analista ambiental do Ibama Lazlo Macedo de Carvalho, de 44 anos, único sobrevivente da queda do monomotor fretado pelo Exército no interior de Roraima, foi transferido de Boa Vista para o Rio de Janeiro na tarde desta terça (4) em um avião com UTI aérea da Força Aérea Brasileira (FAB).

Ele teve metade do corpo queimado e estava internado em coma induzido no Hospital Geral de Roraima, em Boa Vista. Ele foi transferido após ter o quadro clínico estável. Uma equipe composta por médicos e enfermeiros acompanharam o servidor durante a viagem.

Acidente aéreo

O acidente aéreo com o monomotor modelo Cessna prefixo PR-MFR de propriedade da Paramazônia Táxi Aéro fretado pelo Exércio Brasileiro ocorreu por volta das 11h15 de segunda. Na aeronave estavam, além do piloto, os quatro servidores do Ibama.

A aeronave caiu logo após decolar na pista da empresa e pegou fogo, segundo a Defesa Civil do estado. O avião foi encontrado a cerca de 100 metros da cabeceira da pista que fica no Cantá, município vizinho a capital Boa Vista.

Os ocupantes da aeronave estavam trabalhando na missão do Exército Curare VIII e iriam viajar para a Terra Indígena Yanomami. A ação do exército, coordenada pela 1ª Brigada de Infantaria de Selva, é de combate a garimpos ilegais e crimes cometidos nas fronteiras do estado.

Em nota divulgada na noite de segunda, a assessoria do Ibama lamentou as mortes e disse que a instituição está de luto.

O diretor da Paramazônia Táxi Aéreo, Arthur Neto, divulgou nota na qual lamentou o acidente e disse que a aeronave estava com todas as suas revisões, itens de segurança e manutenções em dia.

MPF investiga empresa

O MPF informou na noite desta terça (4) que abriu procedimento investigatório para apurar as circunstâncias dos dois acidentes envolvendo aeronaves da empresa Paramazônia Táxi Aéreo Ltda.

Em 20 dias dois aviões da Paramazônica caíram em Roraima. O primeiro foi dia 14 de junho, quando o monomotor pilotado por Elcides Rodrigues Pereira, de 64 anos, o ‘Peninha, deu pane ele teve de fazer um pouso forçado no rio em meio a selva amazônica. Ele morreu após o dono da própria empresa tentar resgatá-lo.

O segundo foi o dessa segunda (3), quando o monomotor caiu logo após a decolagem.

Fonte: G1