“As medidas vêm alinhar a estratégia estadual com os esforços dos municípios, pois em um Estado tão grande, os efeitos da pandemia acontecem de forma diferenciada em cada região”

Em videoconferência na tarde deste domingo, 05, o Grupo de Trabalho Técnico-Científico de enfrentamento à Covid-19, estabeleceu novos critérios para enquadramento dos municípios nas fases do Plano de Ação “Todos por Rondônia”.

A estratégia é trabalhar com as taxas de lotação das Unidades de Tratamento Intensivo (UTI), municipais, ou seja, os municípios que têm UTI’s e baixa taxa de lotação, poderão solicitar o seu reenquadramento de fase do Plano de Ação Todos por Rondônia, explicou o chefe da Casa Civil, Junior Gonçalves.

O chefe da Casa Civil também explicou que todos estão trabalhando estrategicamente para vencer a pandemia, “mas que é fundamental o apoio, principalmente dos prefeitos, para que as ações sejam mais eficazes, e, ao mesmo tempo, permitir que a população e os empresários possam experimentar algum espaço de autonomia econômica e social,” destacou Junior Gonçalves.

Durante a reunião, o secretário de Estado de Finanças (Sefin), Luis Fernando Pereira, explicou que os municípios que ainda estão enquadrados na fase 1 e que têm uma taxa de lotação das UTIs municipais abaixo de 80% poderão solicitar o seu reenquadramento para fase 2.

“O parâmetro de enquadramento dos municípios nas fases continuam seguindo os critérios da tabela do Plano de Ação Todos por Rondônia, com a diferenciação de que o município que dispuser de leitos de UTI municipais e apresentar baixa taxa de ocupação desses leitos poderá solicitar o seu reenquadramento de fase,” esclarece o secretário Luis Fernando.

Para o representante e diretor executivo da Associação Rondoniense de Municípios (Arom), Roger André Fernandes, “as medidas vêm alinhar a estratégia estadual com os esforços dos municípios, pois em um Estado tão grande, os efeitos da pandemia acontecem de forma diferenciada em cada região.

Uma das preocupações da Arom é evitar o estrangulamento econômico de regiões que não tem taxa elevada de ocupação de UTI e adotaram medidas adequadas para enfrentamento da pandemia, mas acabam tendo a atividade comercial restringida somente porque estão em uma macrorregião com alta taxa de lotação,” expôs Roger André Fernandes.

Fonte: Governo de RO – Em Geral