O setor de capturas da Polícia Federal de Rondônia e com o apoio do MP/RO, prendeu neste domingo, 9, em Brasília, ex-diretor financeiro da Assembléia Legislativa de Rondônia, Moisés Oliveira.

Moisés Oliveira foi preso durante a maior operação policial realizada pela Polícia Federal na Assembleia Legislativa de Rondônia, em que também foram preso o presidente da Casa, deputado Carlão de Oliveira, o presidente do Tribunal de Justiça a época e mais um juiz, além de integrantes do Ministério Público e do Tribunal de Contas. Nesta mesma Operação Dominó, 23 dos 24 deputados receberam a visita da Polícia Federal em suas casas, em mandado de busca e apreensão.

Diretor financeiro do Parlamento, Moisés Oliveira era o “homem forte” da Assembléia Legislativa de Rondônia, no período em que a Casa era presidida por seu irmão, Carlão de Oliveira, também condenado e foragido da Justiça.

Moisés é tio do atual deputado Jean de Oliveira (MDB) é do vereador Márcio Oliveira, ambos filhos de Carlão de Oliveira.

Com o resultados apurados pelas investigações da Operação Dominó, vários deputados daquela legislatura foram condenados na penas de até dez anos de prisão. Alguns foram absolvidos mais a frente, outros cumprem pena e outros ainda lutam na Justiça até hoje.

O educador também era considerado foragido da justiça e possuía contra si seis mandados de prisão em aberto, cujas condenações proferidas pela Justiça Estadual de Rondônia chegam a 26 anos de prisão. Ele foi investigado e preso na Operação Dominó, deflagrada pela Policia Federal naquele fatídico de agosto de 2006, o dia em que a “Casa Caiu” em Rondônia, literalmente. O objetivo da operação foi o de desarticular a organização criminosa responsável por desviar recursos e fraudar procedimentos licitatórios de órgãos públicos estaduais, dentre eles a Assembleia Legislativa.

Após a prisão, o detido foi encaminhado à Superintendência da Polícia Federal em Brasília/DF, onde aguarda definição da Justiça Estadual de Rondônia para o traslado à unidade prisional onde deverá cumprir sua pena em regime inicialmente fechado.

Com informações da Assessoria de Comunicação Social da PF-RO