Uma iniciativa para realizar a coleta, destinação ambientalmente correta e a descontaminação de lâmpadas começará a funcionar no Amazonas, ainda no mês de dezembro de 2017. Cinco postos de coleta receberão lâmpadas domésticas em Manaus.

O programa será implantado pela Reciclus (Associação Brasileira para a Gestão da Logística Reversa), que é uma associação sem fins lucrativos que reúne os principais produtores e importadores de lâmpadas do Brasil, com o objetivo de promover o Sistema de Logística Reversa. Atualmente, a associação conta com 71 empresas associadas.

O objetivo é realizar um grande movimento estruturado de coleta de lâmpadas ao final de seu ciclo de vida e realizar a sua destinação final ambientalmente adequada.

“A implantação dos pontos de coleta segue os critérios técnicos indicados no Acordo Setorial, como número de habitantes, área urbana, densidade populacional, domicílios com energia elétrica, poder aquisitivo, infraestrutura viária e acessibilidade”, explicou a associação.

A iniciativa envolveu diversos segmentos da sociedade e atende à determinação da PNRS (Política Nacional de Resíduos Sólidos), a Lei Federal nº 12.305/2010 que trata da responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos e na logística reversa (LR) como soluções para o descarte correto de itens que podem causar danos ao meio ambiente.

Quais lâmpadas serão coletadas?

Lâmpadas de uso doméstico, dos seguintes tipos:

  • fluorescentes compactas e tubulares;
  • de vapor de mercúrio, sódio ou metálico;
  • de luz mista.

Destinação correta

O processo de separação dos componentes utiliza tecnologia avançada, sob circunstâncias especiais e em ambiente controlado, para que não haja a contaminação do ambiente e das pessoas que operam os equipamentos.

Segundo a associação, basicamente, separam-se os componentes de metal (terminais de alumínio, soquetes, e estruturas metálicas), o vidro (em forma de tubo, ou outra), o pó fosfórico (pó branco contido no interior) e, principalmente, o mercúrio, que é extraído e recuperado em seu estado líquido elementar.

É possível utilizar os resíduos na fabricação de vários outros produtos: vidros na produção de novos vidros para uso não alimentar; pinos de latão que podem ser fundidos e utilizados para produção de novos materiais; e pó fosfórico que, uma vez livre do mercúrio, pode ser reutilizado em fábricas de cimento ou asfalto.

Fonte: G1