A Secretaria de Estado de Educação do Acre (SEE-AC) divulgou, nesta segunda-feira (11), as metas para a melhoria de aprendizagem, fluxo escolar e os índices de desenvolvimento educacional que devem ser atingidos pelos alunos da rede pública de ensino até o término do ano letivo de 2017. O documento com as metas foi publicado no Diário Oficial do Estado (DOE) a partir da página 9.

Foi levada em consideração a necessidade de melhoria no desempenho acadêmico dos alunos conforme os resultados das avaliações externas do Sistema Estadual de Avaliação da Aprendizagem Escolar (Seape) e Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb) em 2016.

As metas, segundo a publicação, devem ser atingidas percentualmente pelo conjunto das escolas sendo considerados os resultados e indicadores relativos a 2017. Cada escola deve cumprir, de forma individual, os percentuais estabelecidos nas metas para o ensino fundamental, médio e Educação de Jovens e Adultos (EJA).

Língua Portuguesa

A publicação diz que as escolas devem reduzir o percentual de alunos do 3º ano do Ensino Fundamental II com desempenho abaixo do básico de 10,3% para 8%. No padrão básico, esse número deve ser reduzido de 10,9% para 9,5%. Na avaliação do Seap, o percentual de alunos que cursam esse ano no padrão avançado em língua portuguesa deve ser elevado de 65,2% para 69,5%.

Já no caso dos estudantes do 5º ano do Ensino Fundamental, deve ser reduzido de 6,2% para 5,5% o percentual de alunos que estão no padrão de desempenho abaixo do básico também em língua portuguesa. O padrão básico deve ser reduzido de 24,5% para 21%. No entanto, o número de alunos que estão no padrão adequado deve ser elevado de 35,7% para 36,6%, assim como os que estão no padrão avançado que deve sair de 33,6% para 36,9%, segundo a publicação.

Ainda na disciplina de língua portuguesa, o desempenho dos alunos do 9º ano do Ensino Fundamental II também deve ter alterações nos números para que as metas sejam atingidas. O número de alunos abaixo do padrão mínimo deve ser reduzido de 19% para 14%.

Outra redução, segundo o documento, deve ocorrer no número de estudantes do 9º ano com desempenho considerado básico de 32% para 27%. Já aqueles que têm padrão adequado devem sair do percentual de 34% para 39%. O número de alunos no padrão avançado deve ser elevado de 15% para 20%.

Também devem ocorrer mudanças no número de alunos que cursam o 3º ano do ensino médio. A média de alunos abaixo do desempenho básico é de 27% e deve ser reduzida para 23%.

Aqueles que cursam o ensino médio e estão no padrão básico somam 36% e devem ser reduzidos para 32%. Os alunos que apresentam médias adequadas somam 29% e devem passar a contabilizar 35%. Somente 8% dos alunos da rede pública no 3° estão no estado avançado da disciplina de língua portuguesa. Para atingir a meta definida pela SEE-AC, esse número precisa passar para 10%.

Matemática

O mesmo ocorre com a disciplina de matemática que deve ter os percentuais elevados no Seape. Entre os alunos do 3° ano do Ensino Fundamental 18,6% apresentam percentuais de desempenho abaixo do básico e esse número, segundo a meta estabelecida, deve passar para 16,3%. Aqueles que apresentam médias básicas são 51,5%, mas o número deve ser reduzido para 45%.

Estudantes do 3º ano do ensino fundamental que apresentam o desempenho considerado adequado somam 26,7%, mas esse percentual deve ser elevado até atingir 31,52%. Apenas 3,2% dos estudantes da rede pública que cursam este período mostraram um desempenho avançado em matemática. A meta, segundo o documento, é atingir 7,18%.

Ainda na mesma disciplina, dessa vez no 5º ano do Ensino Fundamental, a meta é reduzir de 7,7% para 6,4% o percentual de alunos com desempenho menor que o básico e também reduzir de 29,4% para 26,8% aqueles com padrão básico. As escolas devem elevar de 38,4% para 39,7% o número de alunos no padrão adequado e de 24,6% para 27% no padrão avançado em matemática.

O mesmo deve ser feito com os alunos do 9º ano do Ensino Fundamental. Aqueles que estão abaixo do básico devem sair de 28% para 24%. O número de alunos com desempenho padrão deve passar de 43% para 37%. No caso dos estudantes dentro do padrão adequado, que é de 25%, para atingir a meta esse número deve chegar a 30%. Dos alunos do 9º ano somente 4% estão no padrão avançado e devem subir para 7% no Seape.

No caso do 3º ano do ensino médio, 47% dos jovens estão com desempenho abaixo do básico e isso deve ser reduzido para 37%, segundo a meta estabelecida pela SEE-AC. Aqueles que demonstraram um percentual considerado padrão somam 38% e devem passar a somar 34% até o fim do ano letivo de 2017. Apenas 3% dos alunos que cursam o último ano do ensino médio estão dentro do padrão avançado. O objetivo é atingir, ainda este ano, 7% dos estudantes.

Índices de fluxo escolar

Outro objetivo da SEE-AC é melhorar os índices de fluxo escolar e garantir que os alunos tenham acesso, permanência e sucesso na escola. Os índices gerais de aprovação nas escolas urbanas deve ser elevado de 86,4% para 95,5% no Ensino Fundalmental I, de 92,4% para 93,7% no Ensino Fundamental II e de 79% para 84,9% no Ensino Médio.

Nas escolas da zona rural os índices de aprovação devem passar de 94,9% para 95,5% no fundamental I, de 87,5% para 88,6% no fundamental II e de 88,7% para 90% no ensino médio.

Já os índices de reprovação das escolas urbanas deve ser reduzido de 4,7% para 4,2% no fundamental I, de 5,6% para 5% no fundamental II e de 11,2% para 7,5% no ensino médio. O mesmo deve ser feito nas escolas rurais, com reduções de 10,4% para 9,2% nos índices de alunos reprovados no fundamental I, em 5,5% para 5% no fundamental II e de 3,4% para 2,9% no ensino médio.

Há ainda a meta para reduzir os índices de abandono no 9º ano do ensino fundamental I nas escolas urbanas que deve passar de 0,4% para 0,2%. Outro objetivo até o fim do calendário 2017 é diminuir o abandono escolar de 2% para 1,7% no 9º ano do fundamental II e de 9,8% para 8,6% no ensino médio.

Na zona rural, as escolas devem reduzir os índices de abandono escolar de 3,2% para 2,8% no ensino fundamental I, de 7% par 6,1% no fundamental II e de 7,9% para 6,8% no ensino médio.

Fonte: G1