O Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo Aedes aegypti (LIRAa) divulgado nessa quarta-feira (12) aponta que Rio Branco e outros 17 municípios do Acre estão em situação de alerta ou risco de surto de dengue, zika e chikungunya.

Estudo divulgado pelo Ministério da Saúde, o LIRAa informou que nove municípios estão em risco de surto das doenças e outros nove aparecem em alerta. A capital do estado, Rio Branco, está em situação de risco.

Do total de 22 cidades, apenas duas estão em situação satisfatória e outros dois municípios utilizaram armadilha, metodologia usada quando a infestação do mosquito é muito baixa ou inexistente.

O índice é considerado satisfatório quando fica abaixo de 1%; situação de alerta quando está no intervalo entre 1% e 3,9%; e indica risco de surto quando é igual ou superior a 4%.

Conforme os dados, a maior parte dos criadouros do mosquito no estado do Acre foi encontrada em depósitos de água, sendo 761. Em seguida, aparecem os depósitos de lixo (210) e domiciliar (209).

Rio Branco foi uma das quatro capitais do país a apresentar risco de surto para dengue, zika e chikungunya. De acordo com o Ministério da Saúde, todas as formas de coleta de dados ocorreram no período de outubro e novembro deste ano.

No estado, a situação pior é em Rodrigues Alves, no Vale do Juruá, onde o maior índice de infestação foi apontado (14,8). Já o município com melhor situação é Santa Rosa do Purus, onde o estudo apontou 0%.

O Mapa da Dengue, como é chamado o Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo Aedes aegypti (LIRAa), é um instrumento fundamental para o controle do mosquito. Ele leva em consideração o índice de infestação predial (IIP), que é a relação entre o número de imóveis onde foram encontradas larvas do mosquito e o total de residências pesquisadas.