A Delegacia do Meio Ambiente (Dema) da Polícia Civil continua com ações de combate às lixeiras viciadas no Amapá. De acordo com a Dema, cinco inquéritos policiais foram instaurados e quase 10 pessoas já foram indiciadas pelo crime de descarte de lixo em local inapropriado, em 2018 no estado.

Segundo o delegado Leonardo Brito, titular da Dema, o número é considerado baixo pela Polícia Civil.

“Ainda é um número baixo, mas ainda é a primeira parte da operação. Nossa dificuldade é porque, normalmente, as pessoas fazem isso à noite, o que dificulta a identificação. Mas até o início de 2019 esperamos indiciar 17 pessoas”, explicou.

Entre os dias 11 e 16 de dezembro, o trabalho foi estendido para além de Macapá, sendo feito também nos municípios de Oiapoque e Laranjal do Jari, onde ocorreram apreensões em flagrante e retirada de lixo hospitalar, respectivamente.

No município de Oiapoque, a 590 quilômetros de Macapá, duas pessoas foram apreendidas em flagrante ao descartarem material de construção em uma área de lixeira viciada que também tinha presença de lixo doméstico.

Em Laranjal do Jari, a 265 quilômetros da capital, a Polícia Civil identificou uma lixeira viciada com materiais hospitalares. A corporação ainda investiga de qual unidade hospitar o lixo é proveniente.

Em Macapá, o principal ponto de descarte é na rodovia Norte-Sul. Segundo a Dema, no dia 1º de dezembro a prefeitura retirou do local cerca de 50 toneladas de lixos, mas o problema voltou a se repetir.

No dia 5 de dezembro, três pessoas foram presas em flagrante ao jogarem lixo na área que pertence a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero).

Ainda segundo Leonardo Brito, boa parte do lixo jogado no local é de construtoras que não querem pagar a taxa para que o resíduo seja descartado de forma regular.

“Descobrimos que boa parte das construtoras estavam descartando lixo nessa lixeira para não pagar uma taxa mínima de descarte regular. Esses donos das construtoras foram indiciados”, declarou o delegado.

No dia 7 de dezembro, ainda na rodovia Norte-Sul, foram encontrados contracheques de funcionários da Secretaria de Estado da Educação (Seed), além de cardenetas, materiais didáticos e fichas de filiação do Partido dos Trabalhadores (PT).

O descarte de lixo na Norte-Sul gera preocupação da polícia, por ser um local próximo ao Aeroporto Internacional de Macapá. A sujeira atrai urubus, o que aumenta o risco de colisões com aviões que saem da capital, segundo Polícia Civil. Foram 58 casos do tipo, entre 2011 e 2014, de acordo com o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa).

“Carros descaracterizados estão fazendo a fiscalização em pontos estratégicos e as pessoas que forem flagradas cometendo tais ilícitos serão presas, o material será apreendido, e o carro ficará apreendido também”, afirmou Brito.

Ainda segundo a Dema, as principais lixeiras viciadas do estado estão na rodovia Norte-Sul; na avenida 1º de Maio, no bairro Buritizal; 18ª Avenida do bairro Marabaixo 3; lixeira pública de Santana e o matadouro de um frigorífico particular, na comunidade Porto do Céu, próximo ao distrito do Coração.

Fonte: G1