Um ventilador improvisado em uma sala de aula da Escola Estadual Antônio Pontes, no Centro de Macapá, chamou a atenção dos alunos do terceiro ano do ensino médio. Amarrado em uma mesa, o objeto foi instalado por um funcionário da instituição, que não tem ventilação adequada, segundo a estudante Monique Ellen Campos, de 17 anos, que publicou as imagens no Facebook.

A Secretaria de Estado de Educação (Seed) informou, em nota, que fez uma reunião na segunda-feira (21) com o Conselho Escolar da escola e ficou definido que ainda essa semana, técnicos da Rede Física da Seed farão uma vistoria na parte elétrica para pontuar os serviços que serão feitos.

“Os reparos visam preparar a escola para a climatização das salas, prevista ainda para este ano. Porém, antes disso, novos ventiladores serão instalados neste primeiro momento”, diz a nota.

A aluna relata que o registro foi feito na tarde de quinta-feira (17), no momento em que ela chegou para a aula de sociologia. Ela ressalta que o instrumento improvisado serviu para amenizar o calor intenso na sala de aula, que segundo Monique, prejudica no aprendizado dela e dos colegas.

“Com essa sensação térmica que passa os 40 graus, somos obrigados a assistir aulas em péssimas condições. As salas aqui da escola não têm ventilação adequada e não sabemos se nos abanamos ou prestamos atenção na aula. Está insuportável. Então, um dia chegamos na aula e vimos esse ventilador improvisado, que serviu para amenizar essa quentura”, reclamou a estudante.

A postagem da estudante foi compartilhada pelo professor de história Rodrigo Alves Engelhard, que leciona na instituição há cerca de 8 anos. Segundo ele, o calor intenso e a falta de estrutura básica comprometem o bom andamento das atividades escolares.

“Infelizmente a situação está crítica para todos os funcionários e alunos da escola. Os ventiladores existentes na sala estão no teto que é muito alto e não alcança totalmente o espaço. Muitas vezes os alunos foram dispensados mais cedo por causa desse problema”, disse o professor.

A Seed completou que além da falta de ventilação adequada vai trabalhar em outras demandas do colégio, como serviços de reparo na rede elétrica e ampliação do monitoramento por câmeras da escola.

Fonte: G1