Dione Mendes Bento ficou em 2º lugar, enquanto Wilson Suruí se classificou em 5º. Resultado foi anunciado durante a Semana Internacional de Café, em Belo Horizonte.
Por Rondônia Rural

Dione Mendes Bento e Wilson Nakodah Suruí foram premiados na Semana Internacional de Café, em Minas Gerais. — Foto: Renata Silva/Embrapa-

Dois cafeicultores de Rondônia foram premiados nesta sexta-feira (22) no “Coffee of The Year 2019”, durante a Semana Internacional do Café, que reúne os melhores cafés do Brasil, em Belo Horizonte (MG). São eles: Dione Mendes Bento e Wilson Nakodah Suruí. Todos são produtores de café canéfora.

Essa é a primeira vez que um indígena é premiado no evento. Wilson Nakodah Suruí é da Aldeia Kabaney, em Cacoal (RO), e se classificou em 5º lugar. Já Dione Mendes Bento, que é do Sítio Rio Limão, também em Cacoal, ficou em 2º lugar (assista o depoimento dos premiados abaixo).

Premiados de RO agradecem por terem sido classificados no Coffee of the Year

O 4º lugar ficou com o produtor Gustavo Sturm, da Fazenda Bom Retiro (BA). Os 3º e 1º lugares foram ocupados por cafeicultores do Espírito Santo.

O anúncio dos premiados foi feito na tarde desta sexta. No total, nove produtores rurais de Rondônia foram selecionados na primeira fase da seletiva. Eles estavam entre os 30 melhores do país. Depois, 10 foram classificados como finalistas da segunda fase. Desses, três representavam Rondônia.

Quem são os premiados de Rondônia?
Dione Mendes Bento (2º lugar)

Dione Mendes Bento. — Foto: Enrique Alves/Embrapa-RODione Mendes Bento. — Foto: Enrique Alves/Embrapa-RO
Dione Mendes Bento. — Foto: Enrique Alves/Embrapa-RO

O produtor é conhecido por fazer parte da família Bento, na região Matas, em Cacoal (RO). Com média de produção de 600 sacas por ano e até 400 sacas de cafés especiais, a família Bento faz questão de passar, de geração em geração, o amor pelo café.

O Sítio Rio Limão, onde vivem em produzem café, por exemplo, foi eleito por três vezes consecutivas em um concurso estadual como o mais sustentável do estado.

“Primeiramente a gente agradece a Deus e é um privilégio muito grande, pois ano passado a gente ficou em 4º lugar e, agora, estamos em segundo. Devagarzinho nós vamos levando o título para Rondônia”, vibrou o premiado.
Wilson Nakodah Suruí (5º lugar)

Wilson Nakodah Surui. — Foto: Renata Silva/Embrapa-ROWilson Nakodah Surui. — Foto: Renata Silva/Embrapa-RO
Wilson Nakodah Surui. — Foto: Renata Silva/Embrapa-RO

O único indígena a encaminhar amostras de café e estar entre os premiados no “Coffee of the Year 2019” começou a produzir em 1988. Chegou a parar por um tempo em uma época de crise do café no estado, mas, depois do ano 2000, voltou a investir na lavoura. Até 2013, Suruí tinha lavoura de café seminal (semente).

A partir de 2014, introduziu o café clonal na produção e, atualmente, conta com a ajuda dos três filhos. Em cinco hectares, Wilson Suruí produziu, por exemplo, pouco mais de 170 sacas. A lavoura do indígena é irrigada, tem produção orgânica e é sem uso de agrotóxico.

“Eu agradeço a Deus, me dá coragem para fazer tudo isso. Quero dar exemplo ao nosso país”, disse o indígena.
‘Coffee of The Year’
Criado em 2012, o concurso e a premiação Coffee of The Year (COY) objetiva eleger os melhores cafés arábica e canéfora do Brasil através do voto popular e avaliação de juízes nacionais. Ele reúne duas espécies de café: arábica e canéfora.

De acordo com a organização, a seletiva ajuda a incentivar “o desenvolvimento e aprimoramento da produção nacional e a divulgação de novas origens do café”.

“Coffee of the Year” começou na quarta-feira (20), em Belo Horizonte (MG). — Foto: Renata Silva/Embrapa-RO”"Coffee of the Year" começou na quarta-feira (20), em Belo Horizonte (MG). — Foto: Renata Silva/Embrapa-RO

No total, o COY conta com duas fases. Na primeira, segundo a organização, os candidatos enviam as amostras, que são torradas e provadas por profissionais Q-Graders licenciados pelo CQI (Coffee Quality Institute).

Já na segunda parte, são selecionadas as 180 melhores amostras, que participam das mesas de cupping e são provadas por compradores nacionais e internacionais.

Ainda conforme a organização, destas amostras, as 15 melhores classificadas são preparadas e disponibilizadas para degustação às cegas e voto do público (10 amostras de arábica e 5 de canéfora). A revelação e premiação do melhor café do ano, que ocorre no último dia do evento, é aberta ao público.

Avanço do café rondoniense
Segundo o engenheiro agrônomo e pesquisador da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) Enrique Alves, por conta do uso de tecnologias como materiais clonais de qualidade, irrigação, novos arranjos espaciais e podas de ciclo e renovação, Rondônia “conseguiu sair de um patamar de 10 sacas de café por hectare para 35 sacas”, por exemplo.

“Isso significa menor custo de produção e mais sustentabilidade. São cerca de 17 mil produtores familiares que tiram o seu sustento da cafeicultura. E garantem a qualidade de vida e sucessão no campo”, explicou.

*Colaboraram Carolina Brazil (Rondônia Rural), Mayara Subtil (G1 RO) e Renata Silva (Embrapa-RO)

Dione Mendes Bento ficou em segundo lugar na classificação do melhor café do Brasil pelo “Coffee of the Year”. — Foto: Renata SilvaDione Mendes Bento ficou em segundo lugar na classificação do melhor café do Brasil pelo "Coffee of the Year". — Foto: Renata Silva/Embrapa-RO

Wilson Nakodah Surui posa junto com a família após a premiação do “Coffee of the Year 2019”. — Foto: Renata Silva/EmbrapaWilson Nakodah Surui posa junto com a família após a premiação do "Coffee of the Year 2019". — Foto: Renata Silva/Embrapa-RO

Dione Mendes Bento e Wilson Nakodah Suruí foram premiados na Semana Internacional de Café, em Minas Gerais. — Foto: Renata Silva/Embrapa-Dione Mendes Bento e Wilson Nakodah Suruí foram premiados na Semana Internacional de Café, em Minas Gerais. — Foto: Renata Silva/Embrapa-RO