Os visitantes que estiveram no Bosque Rodrigues Alves neste sábado(22) participaram de uma programação especial, o aniversário do Kajuru, o peixe-boi mais antigo de Belém, que completou 62 anos. A programação contou com atividades de pintura, desenhos, contação de histórias, além dos parabéns para o Kajuru, que ganhou um bolo especial composto de capim-gordura, frutas e verduras.

O Kajuru é da espécie peixe-boi-da Amazônia, possui um tom mais escuro e acinzentado, chegando a pesar até 400 kg. Eele se alimenta basicamente de capim-gordura, pepino, couve-flor e manga, fruta preferida dele. Atualmente, a espécie está classificada como “vulnerável”, de acordo com a União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN).

Ele chegou ainda filhote no Bosque e virou uma das principais atrações do local. Segundo a veterinária do Bosque Rodrigues Alves, Ellen Eguchi, o cuidado é essencial para um animal nessa idade. “Segundo pesquisas cientificas esse animal vive em cativeiro cerca de 50 anos. Na idade dele a gente busca sempre não deixar em restrição alimentar, a gente também mantém a temperatura da água controlada, além de realizar o manejo sanitário de forma correta”, explicou.

Alunos do Centro Educacional Escolinha do Bebê, do distrito de Ananindeua, Região Metropolitana de Belém, participaram das atividades desenvolvidas no local. A pequena Laura da Costa, de apenas 2 anos, exibia com orgulho o desenho do peixe-boi, as crianças ganharam folhas com imagem do animal para a pintura, além de uma explicação educativa dada pela equipe do Bosque, da vida e da importância da preservação do mamífero.

Para Fátima Lima, avó da Laura, conhecer e conviver com a natureza ajuda no desenvolvimento da neta. “É importante esse convívio com a natureza e com os animais para que, mais tarde, ela adquira o habito de preservar e cuidar dos bichinhos, pois é desde pequeno que se aprende”, ressaltou.

A expectativa para ver o Kajuru era grande para a estudante Ana Beatriz Fontes, de 6 anos, que adora animais. “Tenho três, um gato e dois cachorros”, conta. Segundo a mãe da Beatriz, Lena Wanzeler, a garota estava muito curiosa para conhecer o famoso animal. “Eu estava explicando do peixe-boi para ela, que metade peixe e a outra metade boi, aí ela ficou curiosa para ele levantar o rosto, mas não conseguiu”, brincou.