Com casos confirmados do vírus H1N1, a capital do Acre, Rio Branco, solicitou ao Ministério da Saúde a antecipação da campanha de vacinação contra a gripe. A campanha nacional tem previsão de começar no dia 15 de abril, mas, o município acreano solicitou iniciar a imunização cinco dias antes.

A diretora da Vigilância Epidemiológica de Rio Branco, Socorro Martins, confirmou que fez o pedido. O Acre já tem nove casos da doença e outros 40 estão sob investigação.

“Temos confirmação da circulação do vírus, que vem causando transtornos à população, principalmente em estados vizinhos como no Amazonas onde já ocorreram vários óbitos. Como também temos casos confirmados e o vírus circulando aqui, alertamos a população para os cuidados”, destacou.

Dentre as medidas citadas pela diretora inclui lavar bem as mãos, e quem tiver doente evite sair para locais com aglomerado de pessoas. A campanha de vacinação se estende até o dia 31 de maio.

“Quem tiver os sintomas da gripe e problemas respiratórios deve procurar uma unidade de saúde para ter os cuidados médicos. Só o médico vai passar a medicação própria que o Ministério libera”, confirmou.

Público-alvo

Ainda segundo a diretora, a campanha vai ser direcionada, inicialmente, para crianças de seis meses a seis anos, grávidas, puérperas, idosos de 60 anos e mais, professores da rede privada e pública, além das pessoas privadas de liberdade e pessoas com doenças crônicas.

“Esse ano tem uma diferença nas crianças, em anos anteriores para as crianças era de seis meses a cinco anos de idade. Agora aumentou um ano, é de seis meses a seis anos de idade”, acrescentou.

Atendimentos

A dona de casa Francidalva Ribeiro levou o filho, Flávio Henrique, de 1 ano e 4 meses, pela segunda vez a uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) por causa de uma forte gripe.

“Está há três dias com o sintoma, chora bastante, sente febre e vômito. Ele come, mas vomita, acho que deve ser por causa da gripe e a garganta inflamada. Está bastante enjoado, sente desconforto. Estou com medo de ser [H1N1]”, lamentou.

Com dor no peito, nas costas, cabeça, febre, mal estar e problemas para respirar, a dona de casa Adriene Viana de Lima espera atendimento também em uma UPA.

“Estou sentindo isso há três dias, vim outras vezes para o atendimento aqui. Já vim para atendimento de malária e outra vez com gripe , essa é a terceira vez. Estou com um pouco de medo, porque não sei o que tenho. Tomei remédio, mas não deu jeito”, afirmou.

Fonte: G1